Ep. 24 | Rui Vieira: simulação de fenómenos físicos da natureza

Para o estudo de fenómenos que acontecem na natureza, e com o evoluir da computação e programas de simulação e reprodução virtuais dos mesmos,  o Observatório Oceânico da Madeira (OOM) usa sistemas numéricos de modulação, mais propriamente em oceanografia.

Através da modulação numérica, Rui Vieira, engenheiro eletrotécnico e bolseiro do OOM, dedica-se a um sistema acoplado para a atmosfera, oceano e ondas, denominado por "COAWST", que se trata de um programa que é executado num computador de alto desempenho, capaz de fazer diversos cálculos matemáticos numa área espacial e temporal. Assim, é possível então simular os fenómenos físicos que acontecem na natureza, para serem estudados. 

O investigador trabalha sobre o arquipélago da Madeira, e faz simulações com uma resolução de 1 km. "Isso permite, de uma certa forma, combater as lacunas de informação que existem em relação às imagens de satélite, aos dados recolhidos in-situ e aos resultados dos modelos globais internacionais existentes para a região", explica. Este trabalho é particularmente importante para o desenvolvimento de projetos, como o MARPOCS e o CleanAtlantic, e para o apoio nas tomadas de decisão sobre o derramamento de óleo, poluição marinha e salvamento, assim como para planear de uma forma bastante precisa, as campanhas oceanográficas do projecto OOM. 

O engenheiro eletrotécnico desvenda ainda outra parte do seu trabalho: a criação de uma base de dados para uma climatologia representativa de dez anos da ilha da Madeira e da ilha do Porto Santo, para os ventos, correntes e ondas oceânicas, para além da implementação de um sistema operacional de previsão meteorológica e oceanográfica acoplado para a região. 

Os dados estão disponíveis no site do OOM. 

  

Oiça aqui: